Ayrton Senna da Silva: 30 anos de saudades daquele que foi mais que um automobilista

O piloto brasileiro possui um instituto que ajuda milhares de pessoas até os dias atuais

01/05/2024 às 14h41 Atualizada em 01/05/2024 às 18h32
Por: Giovanna Leibanti
Compartilhe:
Ayrton Senna - Foto: Reprodução
Ayrton Senna - Foto: Reprodução

O dia 1° de maio de 1994 ficou marcado não pelo Dia do Trabalho, mas, sim, pela curva que parou o Brasil e o mundo com a partida de Senna. O heroísmo do automobilista brasileiro ia além das pistas. 

O podium do tricampeão mundial superou bandeiradas e largadas. 30 anos após a sua morte, ainda se fala dele como presente, atual, atemporal. E a busca por explicações segue. Mas "e se isso?", "e se aquilo?". 

Continua após a publicidade

O brasileiro que viveu a época em que o país se reunia e parava aos domingos para vibrar pelas corridas de Ayrton Senna, ainda se indigna com o que aconteceu há 30 anos. Não se trata de uma passagem. É sobre humanidade. Algo que o "Beco" sempre cultivou. 

Continua após a publicidade

Dia 30 de abril de 1994, um dia antes, Roland Ratzenberger enlutou a Áustria por não resistir aos ferimentos sofridos por um grave acidente durante a classificação do GP de San Marino. Antes, Rubinho Barrichello também se acidentou e iniciou a tensão em Ímola. Nos dias atuais, o evento provavelmente seria suspenso. 

O sentimento de indignação tomou conta de Senna, em respeito ao conterrâneo Rubinho e ao colega Ratzenberger. Ayrton correu, mas transtornado com tudo que havia acontecido e que ele parecia sentir que ainda aconteceria. 

A curva impediu que seu amigo Galvão Bueno narrasse novamente "Ayrton Senna do Brasil", seguido do tema da vitória. O verde e amarelo ficou cinza. Hoje, apesar dos "se's", há uma certeza: a missão foi cumprida e o legado foi deixado. 

O brasileiro que não viveu a época de Senna, ainda assim, nasce sabendo quem ele foi e ainda é. Entre discussões futebolísticas como "Pelé e Maradona", boa parte se une - independente da opinião em outro esporte - por Ayrton Senna da Silva. É quase unânime. Quem viu, se orgulha por ter visto. Quem não viu, aprecia histórias e se inspira. 

Competidor e patriota nato. Também não escondia - pelo contrário, incentivava - o amor que tinha pelo próximo. O Instituto Ayrton Senna é a prova. Segue ajudando na educação de milhares de pessoas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários