Maya Massafera expõe dificuldades durante processo de readequação de gênero; veja

Influenciadora desabafou em relato sobre transfobia

20/06/2024 às 17h47
Por: Patrícia Oliveira
Compartilhe:
Maya Massafera desabafou sobre transfobia
Maya Massafera desabafou sobre transfobia

Maya Massafera fez um desabafo sobre os episódios de transfobia que sofre desde que fez a readequação de gênero. No Instagram, a influenciadora apontou as dificuldades que enfrentou durante o processo.

"Hoje acordei tão grata e feliz com a vida. Obrigada, meu Deus, por tudo e por tanto! Em toda a minha transição, eu nunca imaginei que o mais difícil seriam os hormônios. Um médico me explicou que é a sensação de uma mulher grávida + TPM + menopausa. Tudo misturado X 1.000. Tomo bloqueadores, injeções, comprimidos. Falamos muito e temos estudos sobre tantas coisas da medicina, mas sobre transição não é tão simples. Fui em médicos, tidos como 'os melhores' que não tinham conhecimento nenhum. Muitas vezes praticavam falas absurdas e transfóbicas, e eu com muita paciência, ainda ensinava a pessoa", iniciou.

Continua após a publicidade

Maya refletiu sobre as cobranças em relação a aparência e seus posicionamentos. 

Continua após a publicidade

"Muitos falam que tenho que fazer 'tal coisa' senão vou ficar parecendo travesti. Meu amor, eu sou travesti, eu sou trans. Tá tudo bem eu parecer o que eu sou. Temos indígenas, negras, loiras. Temos diversos tipos de mulheres e eu sou uma delas. Sou trans. Tudo bem eu parecer trans. Isso não me faz menos e nem mais mulher. 'Você não tem útero'. Oxi, quantas mulheres nascem sem útero?! Nem todas mulheres têm dez dedos, nem todas mulheres têm mão, nenhuma mulher é igual a outra! Somos todas únicas. Minha alma é de mulher!", afirmou.

Maya citou a importância das pessoas respeitarem a alteridade de cada um. "E Deus me fez assim para eu ensinar amor e respeito para muitas pessoas. Deus não é a favor do ódio, do câncer, da fome, da ruindade. 'Mas Deus fez o homem e a mulher'. Meu amor, quem usa desse discurso, anos atrás diria que negros e indígenas não tinham alma.Antigamente, a discriminação e exclusão de negros e indígenas foi usada para justificar a escravidão. Ao questionar a identidade de uma mulher, jogamos ela na discriminação, na violência, na marginalização. Nossa luta diária de mulheres trans é uma extensão das lutas históricas contra racismo e colonização, entre muitas outras", acrescentou.

"Muitos se incomodam de eu não estar militando 24h por dia e estar postando looks caros. O que te incomoda? Eu ser uma mulher trans com esses looks caros e não estar no lugar de marginalização que você quer me colocar? Te incomoda uma mulher trans ter esses privilégios? Temos que cobrar dos nossos políticos! A dignidade e os direitos humanos não devem ser limitados por preconceitos. Ser mulher não é fácil, ser mulher trans é mais difícil ainda. Mas como é prazeroso", completou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários